Aparelho auto-ligado produz o mesmo efeito da disjunção palatina?

Uma dúvida recorrente entre os usuários do nosso Blog é se o aparelho auto-ligado produz o mesmo efeito da disjunção palatina.

Vamos começar falando um pouco de cada uma das alternativas. Se você tiver curiosidade para conhecer mais sobre cada assunto, basta clicar nos links para os posts específicos.

A disjunção palatina ou expansão rápida de maxila (ERM) é um recurso da ortodontia para aumentar a largura da arcada superior. Com isso obtemos mais espaço para acomodar dentes apinhados, descruzar mordidas, etc.

A ERM é feita através de aparelhos expansores que se acomodam ao palato e são fixados aos dentes superiores. No link acima você encontrará um artigo completo sobre o assunto.

Os aparelhos auto-ligados se caracterizam pelo uso de brackets que prendem o arco sem a necessidade de ligaduras elásticas.

Estes brackets combinados com “arcos inteligentes” (feitos com ligas metálicas especiais) criam um sistema de forças com menos atrito.

Alguns fabricantes de sistemas auto-ligados costumam divulgar que estes aparelhos são capazes de produzir expansões na maxila comparáveis às que alcançamos com disjuntores palatinos.

…Continue lendo…

Manutenção do aparelho ortodôntico

Manutenção do aparelho ortodôntico é um assunto que gera muitas dúvidas em quem usa aparelho ou pretende passar por um tratamento ortodôntico.

Por ser um pagamento mensal, a manutenção (ou mensalidade) está diretamente ligada ao preço total do tratamento.

Manutenção do aparelho ortodôntico fixo

Como comparar valores de manutenção de aparelho ortodôntico?

…Continue lendo…

Fechar diastema central com aparelho ou resina?

Fechar diastema central é uma necessidade estética para muitas pessoas que não gostam dos seus dentes separados.

As opções de tratamentos para resolver este problema estético são:

  1. Fechar diastema com movimentação ortodôntica;
  2. Fechar diastema com materiais restauradores;
  3. Combinar as duas técnicas.

A forma escolhida para fechar o diastema vai depender de diversos fatores relacionados à origem do espaçamento entre os incisivos centrais.

Fechar diastema com aparelho ortodôntico

Normalmente o que provoca a separação entre os incisivos centrais é a movimentação destes dentes. Por isso, trazê-los de volta para a posição correta pode ser uma boa ideia.

  • Vantagem: Os dentes são mantidos em seu estado natural, sem restaurações que podem mudar de cor, quebrar ou infiltrar no futuro.
  • Vantagem: Se o paciente tiver outros problemas ortodônticos, estes serão resolvidos simultaneamente, durante o tratamento com aparelho.
  • Desvantagem: A ortodontia é um processo mais lento que o fechamento realizado através de restaurações estéticas.

Apesar da movimentação ortodôntica ser muito eficiente, nem sempre o fechamento do diastema se dá simplesmente puxando um dente na direção do outro.

É importante compreender o que provocou a separação. Fazendo um diagnóstico criterioso do caso.

…Continue lendo…

Trocar de ortodontista – como fazer?

Trocar de ortodontista no meio do tratamento pode ser necessário, por diversos motivos. Nessa hora surgem dúvidas de como fazer isso sem prejudicar o trabalho.

Para facilitar o entendimento, podemos dividir as situações possíveis em dois grupos  quando se troca de ortodontista:

  1. Quando o próprio ortodontista organiza a troca;
  2. Quando o cliente procura o novo ortodontista sozinho.

Trocar de ortodontista quando ele mesmo organiza a troca

Uma mudança de endereço repentina (como uma transferência no trabalho) pode obrigar o paciente a trocar de ortodontista durante o tratamento.

Em um tratamento com boa evolução e boa relação entre profissional e cliente, a única motivação para a interrupção seria realmente a mudança. …Continue lendo…

O aparelho fixo funciona sem as bandas (anéis)?

Quando o ortodontista cola os brackets mas não coloca as bandas nos molares, o aparelho fixo já começa a funcionar? Ou só após a cimentação das bandas é que o tratamento começa efetivamente?

Esta é uma dúvida muito comum aqui no blog e vamos tentar respondê-la de uma vez por todas.

Em primeiro lugar, para quem não compreende ainda os termos “banda”, “anel” e “tubo” eu recomendo a leitura deste outro post: Bandas (ou anéis), usar ou não?

aparelho-fixo-banda-e-tubo-ortodontico

banda e tubo ortodontico

…Continue lendo…

Como o aparelho fixo é colado nos dentes?

Como começa o tratamento ortodôntico

Como começa o tratamento ortodôntico


Como se inicia um tratamento ortodôntico?

Às vezes queremos fazer um determinado tratamento mas não sabemos nem por onde começar.

E isso pode atrasar a decisão de procurar um especialista.

No caso do tratamento ortodôntico com aparelho fixo, a primeira coisa a fazer é escolher seu ortodontista. Para ajudar você nessa tarefa, temos o post com as 10 dicas para escolher seu ortodontista.

Para escolher seu ortodontista, você precisa ter um contato com o profissional através da consulta de avaliação. Esse é o momento de fazer todas as perguntas que você achar importantes.

Pode ser que você tenha que se consultar com vários profissionais até encontrar o ortodontista que realmente combina com você.

Consulta de avaliação ortodôntica

A consulta de avaliação inicial é o momento de conhecer e avaliar o ortodontista que vai fazer o seu tratamento.

É importante tirar todas as suas dúvidas sobre o seu caso e conhecer as opções de aparelhos fixo para você.

É preciso entender se haverão procedimentos adicionais como extrações ou desgastes, saber o prazo para a correção e todos os valores envolvidos.

Eventualmente essas informações podem mudar depois do estudo do caso, mas normalmente já é possível ter uma ideia aproximada de como será o tratamento.

Nessa consulta de avaliação alguns ortodontistas fotografam o paciente para visualizar melhor o problema e poder explicar também de forma mais eficiente o que está ocorrendo.

Outros profissionais preferem pedir as fotos junto com as radiografias e os modelos das arcadas.

De qualquer forma, todo esse material deverá ser analisado pelo ortodontista para diagnosticar o caso.

Estudo do caso, diagnóstico e planejamento

De posse de todos os exames, o ortodontista vai estudar o caso e definir quais são os problemas ortodônticos que precisam ser tratados.

Nessa etapa será avaliado se existem problemas na estrutura óssea, assimetrias faciais, falta de dentes, apinhamentos, alterações na mordida, etc.

Quando tudo isso for definido, o ortodontista tem um diagnóstico, ou seja, ele sabe qual é o problema.

Então, passamos para o planejamento do caso.

Nessa fase serão definidos todos os procedimentos necessários, o tipo de aparelho fixo que deve ser usado, eventuais aparelhos auxiliares, etc.

Também será definido o tempo necessário para que tudo seja concluído e definido se algum problema pode não ser completamente resolvido.

Com o planejamento finalizado, chega o momento do ortodontista explicar ao cliente como pretende fazer a sua correção.

Essa é uma segunda consulta, onde você deve estar bem atento aos detalhes que envolvem o seu tratamento.

Se você entender tudo o que foi explicado e concordar, pode-se passar adiante para marcar a consulta de colagem do aparelho fixo.

Colagem do aparelho fixo

O que marca o início do tratamento ortodôntico é a colagem do aparelho fixo.

É neste dia que nós sentimos que realmente começamos o tratamento. Os dentes ficam doloridos, descobrimos como a comida gruda no aparelho e como a cera ortodôntica pode ser salvadora.

Mas também é neste dia que sentimos ter dado o primeiro passo para ter um sorriso mais bonito, para nos livrarmos daquele dente que estraga nossas fotos ou daquele diastema que parece chamar a atenção de todo mundo.

O processo de colagem do aparelho fixo é relativamente simples e não dói nada.

Inicialmente os dentes são condicionados com um ácido, que prepara a superfície do esmalte para o adesivo. É um procedimento que não compromete a saúde e resistência dos dentes.

Depois de condicionado, o dente recebe a aplicação de um adesivo líquido e então o bracket é colocado na posição com um pouco de resina na sua base.

Por fim, a resina é polimerizada com luz alógena (aquela luz azul) e o bracket está colado.

Esse processo se repete para cada dente até que toda a arcada esteja colada.

Então,o arco pode ser colocado e a movimentação ortodôntica começa.

Essa descrição é de uma colagem direta, que é a mais comum em ortodontia. Mas há a alternativa de se fazer uma colagem indireta dos brackets. Nessa técnica o aparelho é montado primeiro no modelo do paciente para depois ser transferido para a boca.

É assim que começa o tratamento ortodôntico com o aparelho fixo.

Se o seu está começando agora, desejo-lhe tudo de bom!

Um abraço!

Dr. Andre Moreira

Vídeo “Como funciona o aparelho ortodôntico?”

Esta é uma animação em 3D que mostra os componentes e o funcionamento de um aparelho ortodôntico.

Interessante para quem ainda não compreende como a movimentação ortodôntica acontece.

E para complementar as informações do vídeo eu recomendo esta apresentação leve e divertida sobre como o aparelho fixo é colado nos dentes.
E tem um outro vídeo 3D aqui no blog que mostra a classificação de Angle, aquela que diz se você é Classe I, II ou III.

Bandas (ou anéis), usar ou não?

Banda ortodôntica é aquele anel metálico que fica em torno dos dentes. Principalmente nos molares de quem usa aparelho ortodôntico.

Mas esse acessório é realmente necessário? Precisa ser usado sempre? Pode ser substituído?

Deve-se usar banda ortodôntica nos molares sempre?

Devemos esclarecer que, com ou sem banda ortodôntica, os molares precisam ser incluídos no aparelho. A peça usada nestes dentes é o Tubo ortodôntico.

O tubo é uma peça bem parecida com o bracket, mas não é igual.

O bracket é aberto e depende da ligadura elástica ou do amarrilho metálico para se prender ao arco ortodôntico.

O tubo é fechado e o arco entra pela lateral da peça. É a peça terminal do aparelho.

Existem variações, mas para ilustrar nosso post vamos trabalhar com essas características que são mais básicas.

O tubo pode ser preso ao dente por colagem direta ou soldado em uma banda que depois será cimentada no dente.

Tubo ortodôntico colado

A colagem do tubo diretamente no esmalte é um procedimento simples, rápido e favorece a higienização.

Por outro lado, como os molares fazem o trabalho mais pesado da mastigação, há uma maior chance de descolamento durante a alimentação.

Como as técnicas e os materiais de colagem evoluíram nos últimos anos, vários ortodontistas optam por colar os tubos atualmente.

Acima, podemos observar um tubo para colagem mostrando a base que recebe a resina usada para colar o acessório.

A base do tubo tem uma tela metálica onde a resina penetra para a fixação, exatamente como um bracket.

Tubo soldado à banda ortodôntica

A banda ortodôntica é um anel metálico, como uma cinta que circunda o dente de forma bem justa. O objetivo é receber um acessório soldado.

Ou seja, a banda é uma forma de fixar um acessório ao dente sem a necessidade de colagem.

No passado, todo o aparelho fixo era montado com bandas, o que dificultava muito a montagem do aparelho e a higienização.

Atualmente usamos a banda ortodôntica quase que exclusivamente nos molares.

Uma banda confeccionada dentro dos padrões, confere maior resistência ao tubo, sendo muito difícil o conjunto se soltar.

A banda pode provocar algum problema?

Se a banda ortodôntica não estiver bem adaptada ou apresentar falhas na cimentação, pode permitir a entrada de resíduos alimentares.

Isso pode produzir um odor desagradável, inflamações gengivais e até mesmo cáries extensas.

Bandas com mobilidade provavelmente estão soltas, ou seja, o cimento que existia entre o metal e o dente se dissolveu e os resíduos estão entrando neste espaço.

Esta situação deve ser resolvida o quanto antes.

Veja neste post mais informações sobre o perigo das bandas mal-adaptadas.

Na imagem observa-se uma banda com tubo soldado.

Cada ortodontista tem suas preferências

Muitos ortodontistas preferem trabalhar sempre com banda ortodôntica para evitar o descolamento das peças.

Outros usam esse recurso apenas eventualmente, para casos bem específicos.

Em algumas situações, contudo, é impossível abrir mão do uso das bandas.

Disjuntores palatinos, arcos transpalatinos, distalizadores, botão de nance e outros aparelhos que se fixam internamente, precisam de bandas para serem usados.

Para visualizar como as bandas são usadas nos disjuntores palatinos veja este infográfico sobre expansão rápida de maxila.

Portanto, pode-se dizer que a escolha entre tubo colado ou bandado depende do ortodontista, do caso e do tipo de aparelho que será usado.

Mas uma coisa podemos afirmar: Os molares devem ser incluídos na montagem do aparelho ortodôntico sempre que possível.

Video sobre higienização do aparelho ortodôntico

Atendendo a pedidos dos usuários, postei este vídeo sobre higienização do aparelho ortodôntico para orientar quem ainda está com dúvidas no assunto.

Como sempre, espero de vocês críticas e sugestões para melhorar cada vez mais o conteúdo do site.