Aparelho Ortodontico no Facebook

Olá Pessoal!

Finalmente estamos inaugurando nossa página no Facebook!

Agora vocês vão poder acessar todos os vídeos do YouTube, as imagens do Flickr, as atualizações do Twitter, o conteúdo do blog e ainda conversar comigo e tirar dúvidas diretamente no FaceBook.

Vocês podem curtir aqui no blog mesmo clicando no botão lá no canto direito ou nesta imagem aqui em cima.

Continuamos trabalhando para oferecer cada vez mais canais de comunicação levando para vocês o que há de mais moderno e estético na ortodontia mundial.

Estarei esperando por vocês.

Um forte abraço,

Dr. Andre Moreira

Aparelho lingual auto ligado – mecânica e estética de ponta

Aparelho lingual auto ligado é a associação da estética perfeita com a mecânica otimizada.

Para quem ainda não conhece, a ortodontia lingual é a técnica de correção ortodôntica que usa os brackets colados por trás dos dentes. Na face conhecida como face lingual. Assim, o aparelho fica totalmente imperceptível.

Os brackets auto-ligados são uma tendência na ortodontia e têm a característica de não precisar das ligaduras elásticas para prender o arco aos brackets.

Nos aparelhos auto-ligados, os brackets têm dispositivos como tampas ou travas que permitem a fixação do arco ortodôntico.

A união da estética com a funcionalidade: Aparelho lingual auto ligado

Estas duas características (ser colado pela face lingual e ser auto-ligado) foram unidas em um bracket desenvolvido pela GAC, uma fabricante multinacional de material ortodôntico e o resultado é o In-ovation L.

Na imagem abaixo podemos ver como além de ser inovador também é um bracket muito pequeno:

Aparelho lingual In-Ovation L

Aparelho lingual In-Ovation L

Minha opinião sobre o aparelho lingual auto ligado

Venho usando estes brackets desde Janeiro de 2012 e estou muito satisfeito com os resultados.

Os pacientes se adaptam ao aparelho lingual auto ligado com bastante facilidade.

Trabalho com ortodontia lingual desde 2004 com os brackets da ORMCO (O da sétima geração e o STb), que são ótimos aparelhos.

Mas estou gostando muito desta nova opção e tenho usado em todos os clientes que me procuram para fazer o tratamento com ortodontia lingual.

Além de ser confortável, é bem mais fácil escovar os dentes por que são as ligaduras elásticas, ausentes neste aparelho, que retêm mais placa bacteriana.

E não podemos esquecer que a escovação correta é fundamental em qualquer tratamento ortodôntico, mas é ainda mais importante quando se usa aparelho ortodôntico lingual, já que o aparelho fica escondido, dificultando a visualização na hora da higiene.

Nesta imagem do In-Ovation L em detalhe (retirada do site da empresa) podemos observar a tampa (ou clip) que prende o arco ao bracket:

bracket in-ovation L

bracket in-ovation L

É um mecanismo altamente delicado, mas que funciona extremamente bem, proporcionando um tratamento com menos atrito entre o arco e os brackets.

Por consequência, há menor necessidade de força para movimentar os dentes.

Além disso a consulta de manutenção é bem mais simples sem a necessidade de trocar as ligaduras elásticas.

Isso dá mais tempo para o ortodontista observar outros detalhes importantes do tratamento ortodôntico.

Bem, é isso aí pessoal. A ortodontia lingual não para de evoluir tecnologicamente.

Os investimentos das empresas são altíssimos no desenvolvimento de aparelhos cada vez mais eficientes. E vocês ficam sabendo de tudo aqui no Blog do ortodontista.net.

Visite o ortodontista.net para saber mais sobre o aparelho ortodôntico lingual.

Abraços,

Dr. Andre Moreira

Desgastes interproximais no tratamento ortodôntico

Desgastes interproximais e a sua aplicação nos tratamentos ortodônticos

Olá amigos do Ortodontista.net,

Recebi recentemente uma pergunta sobre a segurança de se fazer desgastes interproximais com o objetivo de reduzir a largura dos dentes para o alinhamento das arcadas.

Este procedimento pode ser chamado de “desgastes interproximais“, “slice” ou “strip” e é largamente usado na ortodontia atualmente.

Quando é indicado fazer desgastes interproximais?

Desgastes interproximais são indicados quando a falta de espaço na arcada não é tão grande que justifique extrações dentárias. Em vez de extrair dois pré-molares e criar um espaço de 8 mm de cada lado, pode-se reduzir a largura de alguns dentes obtendo dois a três milímetros, por exemplo.

Este recurso também é usado quando os dentes apresentam um formato muito triangular, o que pode criar uma instabilidade no resultado do tratamento. Nestes casos os desgastes interproximais vão aumentar a estabilidade do resultado.

Existem ainda diversas outras situações onde o ortodontista pode usar desgastes interproximais, mas vamos nos concentrar em como se faz o procedimento.

Como são feitos os desgastes interproximais?

Dois fatores são muito importantes em relação aos desgastes. Em primeiro lugar, que a indicação seja correta. Em segundo lugar, que o desgaste seja realizado com bastante cuidado para evitar danificar o dente.

O desgaste pode ser feito com tiras de lixa manualmente, o que leva mais tempo, mas é mais seguro por ser um processo lento.

Esta técnica com tiras de lixa de aço é mais usada em dentes anteriores.

Também podemos usar discos de lixa acionados por motor que permitem um desgaste mais rápido. Neste caso é necessário um cuidado redobrado pois um movimento em falso pode desgastar o dente de forma errada.

O desgaste com disco também é mais indicado para dentes anteriores.

Nos dentes posteriores é necessário um cuidado maior ao desgastar para que não se perca a convexidade das paredes.

A técnica usada nesses casos é chamada de recontorno ou reanatomização.

O desgaste é feito com motor de alta rotação e brocas bem finas. É ainda mais difícil. O recomendado é que se use separadores alguns dias antes, para criar espaço entre os dentes.

Os separadores são usados da mesma forma que na confecção de bandas ortodônticas assim evita-se danos aos dentes vizinhos.

Quanto à quantidade de desgaste, podemos dizer que é fundamental que o esmalte não seja totalmente removido.

A expessura do esmalte pode variar um pouco de uma pessoa para outra e de um dente para outro, mas podemos considerar que 0,25 mm é uma quantidade de desgaste segura para cada face do dente na maioria dos casos.

Também é indicado o uso de discos de lixa ultra-finos ou tiras de lixa de poliéster para acabamento afim de reduzir as rugosidades produzidas nas faces desgastadas. Este cuidado reduz o risco de cárie por acúmulo de placa bacteriana.

Quais os riscos de se fazer esses desgastes interproximais?

O primeiro risco que devemos observar é a indicação errada.

Mesmo que a técnica do desgaste seja aplicada corretamente, é necessário que haja a indicação.

Se, por exemplo, o caso é para extrações e o ortodontista decide fazer desgastes, que vão criar menos espaço, o resultado não será alcançado.

Então é preciso estar certo que que o desgaste é realmente a melhor opção para o caso.

Uma vez que a indicação esteja correta, passamos à parte técnica.

Um risco é alterar a anatomia do dente de forma errada. Além de comprometer a estética, pode lavar à impacção de alimentos (nos dentes posteriores), predisposição à cáries ou inflamação gengival.

O segundo risco é o desgaste exagerado, que pode levar à sensibilidade dentinária.

Mas, se tudo for feito corretamente, é possível obter espaço extra sem criar sensibilidade, aumentar o risco de cáries ou estragar a anatomia do dente.

Concluindo, este é um procedimento eficaz e seguro quando os limtes são respeitados e vem sendo usado cada vez mais pelos ortodontistas com resultados positivos.

Um abraço,

Dr. Andre Moreira